Advogado praticante de tiro iniciou abaixo-assinado contra Miriam Leitão

O advogado Danilo Faggian, de Jaraguá do Sul (SC), foi o responsável por iniciar o abaixo-assinado eletrônico que levou ao cancelamento da participação da jornalista Miriam Leitão na 13ª Feira do Livro da cidade.

A petição foi hospedada no site da Avaaz, especializado nesse tipo de ação, na tarde desta segunda-feira (15). Até a noite de terça (16), tinha 3.300 assinaturas. A meta é obter 5.000 apoios.

“Por seu viés ideológico e posicionamento, a população jaraguaense repudia sua presença, requerendo, assim que a mesma não se faça presente em evento tão importante em nossa cidade”, afirma a petição online.

O cancelamento, segundo os organizadores da feira, se deu porque não era possível garantir a segurança da jornalista. A presença do sociólogo Sérgio Abranches também foi cancelada.

Em sua página no Facebook, Faggian posta fotos de apoio ao governo de Jair Bolsonaro e ao governador Comandante Moisés, ambos do PSL. Também faz elogios a símbolos da direita, como a ex-primeira-ministra britânica Margareth Thatcher, e críticas à esquerda.

Faggian é praticante de tiro esportivo e crítico das políticas de desarmamento. Jaraguá do Sul é conhecida por ter uma das maiores concentrações do país de adeptos dessa modalidade.

Todos os anos em novembro, a cidade sedia a Schützenfest, uma espécie de Okoberfest dos atiradores, que mistura cerveja e eventos ligados à prática. A tradição foi trazida da Alemanha, cidade de origem dos fundadores da cidade, há três décadas.

Com 175 mil habitantes e um dos melhores índices de qualidade de vida do Brasil, Jaraguá do Sul, no norte catarinense, deu vitória esmagadora a Bolsonaro no ano passado. O atual presidente obteve ali 83% dos votos válidos.

Procurado pelo blog, Faggian não quis dar entrevista sobre o assunto.

O advogado Danilo Faggian, de Jaraguá do Sul (SC), foi o responsável por iniciar o abaixo-assinado eletrônico que levou ao cancelamento da participação da jornalista Miriam Leitão na 13ª Feira do Livro da cidade.

A petição foi hospedada no site da Avaaz, especializado nesse tipo de ação, na tarde desta segunda-feira (15). Até a noite de terça (16), tinha 3.300 assinaturas. A meta é obter 5.000 apoios.

“Por seu viés ideológico e posicionamento, a população jaraguaense repudia sua presença, requerendo, assim que a mesma não se faça presente em evento tão importante em nossa cidade”, afirma a petição online.

O cancelamento, segundo os organizadores da feira, se deu porque não era possível garantir a segurança da jornalista. A presença do sociólogo Sérgio Abranches também foi cancelada.

Em sua página no Facebook, Faggian posta fotos de apoio ao governo de Jair Bolsonaro e ao governador Comandante Moisés, ambos do PSL. Também faz elogios a símbolos da direita, como a ex-primeira-ministra britânica Margareth Thatcher, e críticas à esquerda.

Faggian é praticante de tiro esportivo e crítico das políticas de desarmamento. Jaraguá do Sul é conhecida por ter uma das maiores concentrações do país de adeptos dessa modalidade.

Todos os anos em novembro, a cidade sedia a Schützenfest, uma espécie de Okoberfest dos atiradores, que mistura cerveja e eventos ligados à prática. A tradição foi trazida da Alemanha, cidade de origem dos fundadores da cidade, há três décadas.

Com 175 mil habitantes e um dos melhores índices de qualidade de vida do Brasil, Jaraguá do Sul, no norte catarinense, deu vitória esmagadora a Bolsonaro no ano passado. O atual presidente obteve ali 83% dos votos válidos.

Procurado pelo blog, Faggian não quis dar entrevista sobre o assunto.